terça-feira, 26 de junho de 2018

Sketch Tour Portugal - Dia 3

29 de dezembro

Hoje foi dia de acordar muito cedo, pois previa-se viagens longas. Ainda antes das 07.00h já tínhamos o pequeno-almoço tomado e estávamos a caminho do nosso destino! 






Já passava um pouco das 08.00h quando chegámos ao Pico do Areeiro! A viagem de carro até ao cimo foi inacreditável: estávamos acima da nuvens e a vontade (àquela hora da manhã) era mesmo deitar em cima delas e flutuar! Como seria de esperar, o vento e o frio fizeram-se sentir a sério! Valeu-me o casaco de inverno e o gorro na cabeça! 
A opção de termos ido mais cedo foi porque a partir das 10.00h o Pico enche-se de gente a caminhar... ou a andar de bicicleta! Existem vários caminhos que partem ou chegam a outros lugares, mas é preciso ter muita resistência e muito cuidado para atravessar estas montanhas. Não só por ser um lugar imponente, mas também porque é impossível não nos sentirmos pequeninos perante a o poder da Natureza!
A 1818 m de altitude escolhi um spot de tirar a respiração, com o eco do vento forte como música de fundo e o silêncio ameaçadora das montanhas! Ali fiquei cerca de uma hora e meia! É de tirar a respiração! Brutal!



Um rápido almoço de sandes, sumo, água e barras energéticas foi o suficiente para começarmos a tarde na zona de Ribeiro Frio. Enquanto que a Ea ficou a desenhar o Viveiro das Trutas, eu embrenhei-me na Laurissilva, que tanto desejava ver e estar, assim que soube que vinha para a Madeira! 


O facto de termos andado acompanhadas com quem nasceu e cresceu na Madeira levou-nos a lugares onde dificilmente chegaríamos indo sozinhas! No Miradouro da Portela não há turistas. É um lugar discreto e tranquilo. É daqueles lugares ainda por descobrir e com muito para se desenhar...

Se ainda não foram ao Restaurante Nini Design Centre, então é um lugar obrigatório para serem felizes em Funchal! É tudo cinco estrelas e não há absolutamente nada a reclamar!

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Sketch Tour Portugal - Dia 2

28 de dezembro

Começámos o dia com uma breve reunião com o Turismo da Madeira, para falar sobre o programa. Está previsto fazermos muitas viagens de autocarro para diversos lugares da ilha, mas o tour e as pessoas que nos acompanham são bastantes flexíveis e a frase que mais se repetiu na reunião foi dirigida a mim e a Ea:
"Para vocês está bem assim?"






A Ponta de São Lourenço (Caniçal) é um lugar muito ventoso, mas muito procurado pelos turistas. Se de um lado temos a imensidão do azul do mar que se mistura com o céu, do outro temos os montes que escondem as casas e que aos poucos nos vão desvendando caminhos que nos levam a lugares únicos!


Mais abaixo está a Baía d'Abra, com um pequeno miradouro, onde se pode ver as ondas a chicotearem as rochas, deixando-as rasgadas e gastas pelo tempo! 



Depois de um maravilhoso almoço na Quinta do Furão (Santana), regressámos novamente ao centro de Funchal, directos ao Mercado dos Lavradores. Por ser quinta-feira, o mercado não estava cheio! O senhor da banca disse-me que se lá fosse no fim-de-semana seria impossível eu estar sentada a desenhar! 
- "Porquê?" - perguntei-lhe.
- "Ó minha menina, ao fim-de-semana é impossível andarmos por aqui, quanto mais desenhar! Isto fica cheia de gente que nunca mais acaba! São gente daqui, do continente, espanhóis, marroquinos, franceses, ingleses, suecos, italianos, brasileiros, olhe, o mundo inteiro vem p'ra aqui!" - respondeu-me a rir!
Uma das características de muitos vendedores do mercado é que, muitos deles falam várias línguas, para além do português, do espanhol, do inglês e do francês! É algo que não se encontra em muitas lojas em Lisboa, sobretudo quando os comerciantes têm acima dos 50 anos!

Embora ainda estivéssemos com as barrigas cheias do almoço, fomos jantar no Chalet Vicente! Estava tudo tão bom que não recusamos nada e continuamos a comer!

domingo, 24 de junho de 2018

Sketch Tour Portugal - Dia 1

Um ano a desenhar Portugal. 24 desenhadores. Nacionais e internacionais.

A mim, calhou-me desenhar a linda ilha da Madeira, na companhia da Ea Ejersbo, da Dinamarca.
A Ea veio acompanhada pelo marido - um verdadeiro gentleman e uma pessoa muito bem humorada -  e com uma muleta. Umas semanas antes da viagem torceu o pé esquerdo.
"Como não foi nenhuma lesão da cintura para cima, não vi nenhum impedimento em cá vir! Portugal is amazing!" - disse-me ela com um enorme sorriso na cara!


27 de dezembro

Chegamos a Funchal depois de uma hora e meia de voo. Na capital ficou a chuva e o frio e na ilha fomos recebidos com um dia de sol quente que só a Madeira tem por esta altura do ano!


A nossa jornada de desenhos começou na Blandy's Wine Lodge, que, diga-se de passagem, foi uma bela forma de começar esta viagem!



No Restaurante Vila do Peixe, em Câmara de Lobos, é possível termos uma vista fantástica para a colina, enquanto nos deliciamos com uma variedade de peixes que vão chegando à mesa!
E quando um dos empregados nos pergunta se estamos satisfeitos, a nossa resposta foi uma só: FENOMENAL - a comida, a vista, o restaurante e o atendimento!

terça-feira, 12 de junho de 2018

10x10 na Comunidade de Emaús

Tema 10: Reportagem de grupo
Mário Linhares

Última sessão de 10 yearsx10 classes: um grande projecto internacional USK que decorreu em várias cidades do mundo! E Lisboa não foi a excepção! Com grandes formadores - Mário Linhares, Nélson Paciência, Pedro Loureiro, Guida Casella e José Louro - e excelentes exercícios de desenho!

Por aqui terminamos com que deu início a isto tudo!



A Comunidade de Emaús não dá preferência aos objectos expostos por longos corredores ao ar livre. Como também não dá importância à história que existe por trás de cada pessoa que por lá passa. Também não interessa saber o futuro que cada companheiro escolhe para si. Apenas se foca na pessoa. Aquela que procura estar e estar bem.
E assim também era o primeiro exercício proposto pelo Mário: desenhar em pequena escala os objectos na parte inferior da página e desenhar uma pessoa da Comunidade em escala maior na parte superior da página, dando-lhe assim a sua devida importância!



Este não é o resultado da proposta do segundo exercício, que seria fazer uma mancha com aguarela e depois desenhar com a caneta preta o edifício e, mais uma vez, pessoas em escala maior! Fiquei com o Matias (que entretanto adormeceu), e por isso tive o privilégio de apreciar esta vista. Estava limitada à escolha do ponto de vista e o facto de levar as páginas já com um fundo preparado não me dava margem para usar a aguarela!

segunda-feira, 11 de junho de 2018

10x10 no Mercado de Campo de Ourique

Tema 9: Mercado local = grandes profissões
Pedro Loureiro

Foi um dia difícil!
Lisboa estava caótica! Não sabemos bem o que terá acontecido, mas todas as entradas e saídas da capital estavam com trânsito! Carros parados por todo o lado! Chegámos atrasados à sessão! O formador mais atrasado chegou! Outros terão chegado ainda mais tarde! Mas ainda assim, tivemos tempo para desenhar!

Se não fosse esta sessão, provavelmente o Mercado não passaria de um mero local para sentar, comer e conviver! Todas as profissões e trabalhadores passariam-me despercebidos, como se fossem apenas pessoas que ali estivessem para servir! Este é um dos propósitos do desenho: aproximarmo-nos das pessoas e questionar o que nos rodeia!



A Esmeralda vende frutos secos. Só de ver as cores, não só apetece desenhar como consumir! A banca dela está sempre cheia de gente e ela só para de trabalhar para atender os clientes! A simpatia dela é atraente e contagiante! E assim completei o exercício proposto pelo Pedro: desenhar a profissional, o produto e o cliente! O ambiente facilitou-me o trabalho!



O Mercado tem restaurantes óptimos! Óptimos para desenhar e para consumir! Mas o ritmo é demasiado rápido para conseguir registar tudo no caderno! Desenhar quem prepara a comida, quem a serve, quem a come e quem limpa tudo no fim!

domingo, 10 de junho de 2018

Jardins Calouste Gulbenkian

Sempre que cá vimos os jardins estão sempre cheios de gente! Sobretudo em dias de calor! Não há muita sombra desocupada, por isso vamos invadindo o espaço um dos outros para nos protegermos do sol! Também serve de desculpa para aproximarmo-nos e conversarmos com desconhecidos!




Tantas pessoas paradas e ainda assim é difícil desenhá-las...

sábado, 9 de junho de 2018

10x10 no Mercado da Ribeira

Tema 8: Conversas estranhas por pessoas normais
Nélson Paciência

A partir das 18.00h o Mercado muda de imagem e de clientes! Fecham-se as bancas das flores, das carnes e dos peixes, dos legumes e das frutas e abrem-se as portas dos restaurantes, com boa comida e bom vinho. Os habituais clientes regressam à casa e chegam os turistas "aos molhos", ansiosos por descansar, provar a boa comida portuguesa e conviver pela noite fora.





























Primeiro exercício: simplificar a linguagem corporal.
Desenhar apenas o corpo humano visível (rosto, pescoço, braços e mãos) e excluir a roupa.
De simples não tem nada!




























Segundo exercício: desenhar as pessoas, contextualizar o ambiente e escutar as conversas. 
Isso significava aproximarmo-nos o mais possível das pessoas. Foi de tal modo que, de repente, já estava a beber vinho e a conviver eles!